Alguém precisa parar Micheal Bay

Por Rudá Braga


A máxima "tempo é dinheiro" é um dos principais símbolos do mundo capitalista em que vivemos. O tempo é imparável, implacável, inegociável, insubstituível, não podemos negociar com ele e tampouco voltar atrás. O tempo é senhor de todos os destinos, como dizia Caetano Veloso em sua celebre canção "Oração do Tempo". O tempo é uma das coisas mais valiosas que temos e é por conta disso que fazemos a associação do valor dele com o dinheiro e, nesse caso, Micheal Bay nos deve uma fortuna.


Decidi assistir Esquadrão 6, o novo filme do cineasta no Netflix, que tem como protagonista Ryan Reynolds. O longa custou a bagatela de U$$ 150 milhões e chegou com toda a pompa e circunstância na plataforma de streaming como o principal lançamento do final de 2019. Se ancorando na figura de Reynolds e com um elenco relativamente conhecido com figuras como Mélanie Laurent (Bastardos Inglórios) e Dave Franco (Truque de Mestre), o filme prometia oxigenar um pouco o público das intermináveis franquias Transformers e Tartarugas Ninjas, ambas abraçadas por Bay para retirar dinheiro das crianças, dos desavisados ou apreciadores de filmes ruins. No entanto, não foi isso que aconteceu. Esquadrão 6 é o pior longa da carreira do diretor e o filme que melhor representa todos os vícios irritantes do cineasta (e olhe que é difícil ele superar isso).


Não é apenas pelo roteiro tosco (um bilionário que monta uma equipe de mercenários para salvar o mundo, isso mesmo que você leu), a montagem genérica ou a direção atrapalhada, o filme é uma glorificação da violência e estilo de vida americano. Bay não consegue fazer uma sequência sem que alguém morra brutalmente e, mais que isso, a violência é sempre retratada com glamour. Cada cena de assassinato, tem que ser exaltada em câmera lenta e com bastante sangue espirrando, como se fosse algo charmoso. Em determinada ocasião, o personagem interpretado por Reynolds segura o glóbulo ocular do inimigo durante uma perseguição de carro nas ruas da Itália, a cena é longa e feita para ser engraçada, mas apenas reforça a cabecinha sádica e problemática do diretor. Qual a graça que uma coisa assim pode ter?


Em outra cena, depois de matar diversos inimigos em uma suíte de hotel, dois integrantes do grupo do "mocinho" começam a fazer sexo com os corpos ainda no local. A cena reforça a glorificação da violência presente em todo filme, sexo e morte se misturam, é bonito matar. É difícil saber o retorno que a obra está dando ao Netflix, mas infelizmente, independente disso, o cineasta continuará a prestar seu desserviço ao cinema por muito tempo ainda e, quem sabe, até em uma continuação do péssimo Esquadrão 6.



Vocês podem ouvir nosso podcast pelo Spotify, Deezer, Google Podcast, Apple Podcast e no site www.caranguejoatomico.com


Siga no Instagram @caranguejoatomicopodcast


Twitter: @CaranguejoAT

  • Spotify ícone social
  • google_podcasts_icon_badge_200x200
  • Deezer ícone social
  • Sem-título-1
  • Castbox
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social
  • Instagram ícone social
  • social-twitch-circle-512